Essa Tal de Poesia

22/11/08
Vamos falar de poesia.
Mas, sobre qual delas?
Sobre a poesia diária, na qual se esbarra quando abrem se portas, olhos e ouvidos?
Aquela que vive nas cores, nos sabores e odores e que nos chega pelos sentidos físicos?
Ou, sobre aquela poesia que se cria, que se pensa?
Aquela que se concebe no ruidoso silêncio
, no digerir interno dos tais poetas?
Pouco importa qual seja, tanto faz a natureza, falemos dela.
Vamos discursar.
Nos valer da inspiração que enche de sentido e significado o cotidiano, as banalidades e barbaridades da essência humana.
Vamos abusar das tonalidades e pintar de tons berrantes o que se faz pálido.
Vamos moldar o que é volátil e etéreo.
Vamos dar forma ao que é sensação nos valendo das palavras.
Mas talvez elas não bastem, não sejam suficientes.
Por que esses seres... os tais poetas
Esses que buscam na expressão
a tradução do impalpável
Costumam ser insaciáveis.
Para esses loucos e insensatos...
Para essas almas delirantes...
Tudo se faz motivo e forma.
Tudo se faz razão e meio.
Tudo se faz maneira e via.
Tudo se faz em poesia.

Monday, December 30, 2013

Próxima Atração...


Próxima Atração...
26/12/2013

E vem por ai:
365 dias...
24 horas cada =
+ 8760 horas somadas em meu relógio,
Acumuladas na minha história.
E o que farei com elas?
São tantas!
Posso parar e admirar os ponteiros correndo sem cerimônia.
Deixar o tempo ir livre levando minhas possibilidades.
Posso me dar conta da idade.
Reter cada minuto na tentativa de atrasar o que está por vir.
Posso desistir.
Posso insistir.
Posso!
Que o poder não me cegue!
Que ele não me acovarde!
E que eu não me negue a chance do decidir!
Inevitavelmente...
Que venha 2014!!!


Monday, September 9, 2013

Se deixar ir...


Se deixar ir...

09/09/2013


E porque perdeu a Fé,
Se fez abismo.
Se deixou esvair...
A terra engoliu seus sentidos
Perdeu graça e viço.
Nada mais lhe desafia.
E mesmo que tente
Se mesclar,
Se fazer igual,
O vazio letal
É ele!
Não há mais disfarce.
Como esconder
O embaraço
De não crer,
De não acreditar
No próximo passo?
Melhor ficar onde está...
E lentamente
Deixar apagar
Seu traço.

Monday, June 3, 2013

Renascer


Renascer
02/06/2013

Agora não dá mais.
Passou o tempo,
Passou do ponto,
Correu o ponteiro,
A marca foi feita.
Não tem como voltar, vir do começo,
Apagar o rastro...
O negócio é olhar para frente
Dar nova partida.
Esquecer o que ficou passado, descobrir um início.
Largar o vicio de se apegar.
Deixar o frescor do que há de ser
Tomar conta do que deveria ter sido.
E acompanhar sem medo
O doce enredo
De Renascer.

Friday, May 3, 2013

Bela


Bela
03/05/2013

Nua
De corpo e alma
Crua
Ela
Sem nada que limite
Sem nada que impeça
Nua
Nem regra, nem mesura
Entregue a sorte
Sem medo ou corte
Inteira
E nua.
A verdade se faz nela
E é Bela!

Monday, April 29, 2013

EU-goísmo.

EU-goísmo

04/22/2013

Fui tanto nós
Tanto vós
Tanto eles.
Tenho direito de primeira pessoa.
Tenho vontades
Prioridades
Agora: Eu
Mais tarde, quem sabe?
Penso que existem mais.
Deixa eu dizer:
Eu quero
Eu desejo
Eu preciso
Deixa eu fazer.
Eu ser:
Eu...

Monday, March 11, 2013

Com nexo...


Com nexo...
03/11/2013


De repente uma vontade de rimar
Flor com amor,
Coração com ilusão,
Dia com alegria.
Pegar a caneta e riscar o mundo
Com um traço profundo,
Inapagável.
Me marcar em tudo.
No meu silêncio,
Há tanto barulho!
Um mosquito zumbe,
Um cachorro ladra,
Uma gota cai,
Estala o assoalho...
E em cada movimento
A lembrança:
Preciso da mudança.
Sair do casulo,
Completar a metamorfose,
Renascer borboleta.
Já cansei de ser larva.
Quero bater minhas asas,
Voar sobre as cabeças
E transpor limites.
Tenho tanta sede de mim.
Vou beber da minha fonte,
Me encharcar,  me embriagar.
Baixar as defesas
Encarar minha imagem,
Sem sombra ou reflexo.
Num mergulho, ir ao fundo
Vasculhar até encontrar
O meu nexo.

Saturday, December 29, 2012

Feliz Ano Novo


Feliz Ano Novo


29/12/2012

Lá vem ele... um menino.
Sorriso no rosto,
Passo alegre e apressado,
Mil promessas no bolso
E a leveza de um pássaro.
Cumprimenta a quem passa
Com acenos e abraços
Anda léguas e léguas
E não mostra cansaço,
Pois é só Esperança!

Lá vai ele... um homem.
Sorriso nos olhos,
Passo lento e preciso,
Mil experiências no dorso,
E o peso de um mestre.
Cumprimenta a quem passa
Como a velhos amigos.
Andou léguas e léguas
E não mostra cansaço.
Pois é só o Saber!

Recebam felizes o menino que chega.
Se despeçam com calma do homem que vai.
Um é fé, recomeço.
Outro força e conquista.
A Vida em seu ciclo
Nós dá nova chance
De tentar....
E vencer.

Sunday, June 3, 2012

Corredeira

 
Corredeira

04/06/2012

A vida começa agora!
A vida começa sempre!
A vida moto-continuo
Derrama minutos aos dias
Transborda dias em meses
Que desaguam no oceano
Dos anos que se acumulam.
Da nascente que viemos,
Nos fizemos corredeira.
Criamos a nossa história,
Dos lugares que cortamos,
Das pessoas que banhamos,
Do barro que arrastamos...
E assim, nessa correnteza
Viajamos léguas!
Nos juntamos a outras águas
Aumentamos volume e força,
Até que um dia nos misturamos
Às águas de sal do mar.
Mas se encontramos barragem
Impedindo nossa jornada,
Nossos veios se espalham
Rasgam as margens que limitam
 E encharcam a terra seca.
Não há nada que detenha
A missão que nos foi dada!

Saturday, May 5, 2012

A Lua

A Lua
          25/04/2012

Enorme a lua!
Cheia, plena.
Clareia o céu
Prateia o mar
E a areia
Quantas luas se passaram!
E com elas,
Verdades minguaram,
Sonhos se renovaram,
Certezas cresceram.
A lua, em sua fases,
Encheu
Da prata e luz
Meu corpo e alma.

Saturday, November 5, 2011

Minha, só minha...

Minha, só minha..
05/11/2011
Eu olhei a face da Vida
E ela me sorriu.
Me pegou pela mão
Me chamou de amiga
E saiu correndo numa disparada
Que não me deixava ver por onde eu ia.
Perdi o fôlego.
E ela, entediada
Saiu desarvorada
A procura de mais...
Fiquei para trás.
Sigo agora procurando pela louca
Pedindo a todos por notícias...
Ah, Vida...
Minha amada confidente!
Sinto tanta falta de me embolar nos teus passos,
De nunca saber o que seria,
De me perder na tua correria
E me encontrar no caos de teus acasos.
Te confesso,
Meus dias andam tão rasos
Que sonho mergulhar na tua não monotonia.
Preciso tanto que de novo me sorria,
Me dê a mão,
Me olhe firme
E me assegure que é minha.
A minha Vida,
Minha,
Só minha.